quinta-feira, setembro 29, 2011

tantas voltas...

a vida dá tantas voltas... gira, gira, gira e vai até não se sabe bem onde... Gostaria eu de saber até onde as nossas forças podem ir e até onde a capacidade de amar consegue chegar... (não sou totalmente ignorante, sei bem o que sou, apesar de às vezes precisar que outros me digam) Mas a vida dá tantas voltas que, ao tornarmos tantas vezes ao ponto de partida já se pode perguntar: sou eu que sou tonto ou sou bom demais? Mais uma tontice que aqui deixo escrita neste final de dia, que de atribulado teve muito, de ansiedade muito mais e que estarei para ver no que vai acabar... Mas com toda a certeza Ele não vai faltar para dar a Sua mão e me/nos empurrar para cima, levantando a cabeça e vivendo o dom precioso da vida.

quarta-feira, setembro 28, 2011

desabafo...


Às vezes não é por não haver tempo nem falta de palavras para se escrever alguma coisa, mas porque são tantas as coisas que o coração e a alma querem e precisam de "despejar"....
Hoje o meu sentimento é de... nem sei bem,... ansiedade e impotência... Mediante últimos acontecimentos, tudo parece andar a mil à hora, mas também outras coisas parecem escapar das mãos. Isto não é bom nem mau,... é só uma partilha de coisas e sentimentos que vão cá dentro. Certamente muita gente também os tem. Só peço isto: Meu Deus, toma o meu coração e fá-lo mais forte!!!!!

quarta-feira, setembro 21, 2011

sentir o sorriso...


sentir o sorriso do mundo, é complicado, nos dias que passam... mas continuam a existir maravilhosos sorrisos que nos fazem a todos movimentar o interior de nós mesmos. Mil e um exemplos podia agora descrever,... mas simplesmente deixo o sorriso de alguém que mesmo depois de ter perdido toda a família, diz: o Senhor continua a dar-me a força e a paciência para viver a vida no serviço ao próximo. Permite-me ainda dizer que é um excelente serviço de apoio na sociedade. Para quem diz que não: Deus está bem presente na vida de todos os que O invocam com verdade e sinceridade.

terça-feira, setembro 13, 2011

ser um banco...


Muitas coisas nos passam pelas vistas,... algumas retemos, outras nem ligamos. Não é por descuido ou por não querer,... simplesmente andamos a pensar noutras coisas e não damos conta. Por não se dar conta, pode deixar passar-se um sorriso ou uma voz silenciosa que precisa de ser ouvida... Isto faz-me lembrar um banco de beira de caminho que se encontra sem ninguém à espera de alguém. não um alguém qualquer, mas quem se sente e dê uso à sua existência. Alguém que descanse. Alguém que se sinta confortável. Alguém que fale no seu silêncio. Alguém que admire o redor. Alguém que simplesmente esteja sentado (ou até mesmo deitado). Como seria se fossemos como bancos à beira do caminho?