sábado, novembro 22, 2014

sentimentos e palavras (p)

Há sentimentos que mais valem ficar reservados no coração de cada um, pois se são transmitidos em palavras, podem acabar por ser mal entendidos, ou mal recebidos, ou então até ficarem em pedras,... Há palavras trocadas como penas que esvoaçam e nunca caem porque os ventos são muitos,... muito fortes,... agitados de tal modo que tudo voa,... sentimentos e palavras... 
Quando paras, ó vento? Quando deixas de ser agitado, para que a calmia consiga enraizar os sentimentos,... e quem sabe para que a bonança traga as palavras não ditas e ditas esvoaçadas... mas será importante agora ouvir as palavras ou viver os sentimentos? Guardar, com serenidade, e... Senhor,... quem sabe sonhar...

domingo, novembro 16, 2014

sentimentos e palavras (o)

O espírito vai-se enchendo de coisas e coisas,... de palavras e  palavras,... de atitudes e atitudes,... e de repente precisa de esvaziar. Uns chamam-lhe falar de si mesmo, outros dizem ser um momento para desabafar, outros ainda procuram a misericórdia e o conforto para tudo o que tem em si e precisam de "expulsar". Há alguns (para não deizer muitos) que se sentem assim: à beira da explosão e a precisar simplesmente de alguém que oiça. Que oiça sem julgar, mas que oiça sim para ajudar a discernir. Há alguns, e uns outros tantoss que é isto que procuram: um coração, um ouvido, uma amizade que esteja e fique ao lado. Mas parece ser dificil encontrar um lugar onde escabziar, onde limpar, onde confiar. Eu tenho um lugar, uma pessoa, um amigo onde me sento, me ajoelho, me deito, me encosto e me ouve e lança de novo para a vida. Mais leve, mais sereno, mais feliz.

sábado, novembro 15, 2014

"Vem tomar parte na alegria do teu senhor" (cf Mt 25,14-30)


Colocar a render os dons que o Senhor nos dá, é fazer da vida um próprio dom que dá fruto e não é uma apatia e uma fonte de energia estática. Cada um de nós, crentes, pode empenhar-se/esforçar-se em ser testemunha comprometida com o Senhor. Este compromisso não acontece de vez em quando, mas de forma ativa e permanente todos os dias.
A mulher virtuosa é que a vive diariamente os valores do trabalho, do compromisso, da generosidade e do temor de Deus. Tanto a mulher como o homem são virtuosos se assim viverem dia após dia, pois ambos são/somos administradores dos bens e dons que o Senhor dá. Assim, questiono-me se vivo sempre (todos os dias) os valores do reino. Se todos os dias me esforço por viver com eles no horizontes das palavras e das ações. Mas se não vivo assim, então em que valores baseio a minha existência?
S. Mateus ao relatar a parábola dos talentos diz que há três que recebem talentos, mas dos três dois fazem-nos render, mas um guarda-o para si mesmo. O Senhor que dá os talentos é Deus e todos nós somos os servos que recebemos, mas não agimos todos da mesma maneira. O que faço com os talentos recebidos de Deus? Jesus conta esta parábola por duas razões que o evangelista nos deixa aperceber: 1. O reino de Deus é exigente e faz com que cada um se comprometa com ele; 2. Aquele que não coloca os seus talentos a render fica sem nada e sem ver o Filho do homem. Então, os bens que Jesus me deixa confiados, coloco-os a render ou guardo-os para mim mesmo? Sou dos que arriscam viver comprometidos com o Reino ou dos que se sentam e só querem ser espectadores do mesmo Reino? Sou servo que construo o mundo ou que me sento?
“Permaneçamos vigilantes e sóbrios”, escreve S. Paulo. Sejamos crentes de verdade com as atitudes de um crente e não sejamos crentes adormecidos para o mundo que já vai dormindo…
Pe Ângelo Martins