sábado, maio 24, 2014

"Não vos deixarei órfãos" (cf João 14,15-21)

É bom saber que não se está sozinho e sentir na presença amorosa, confortante e próxima de quem nos ama. O Senhor é o primeiro a amar-nos e a não nos deixar sozinhos pelos caminhos da vida. Mesmo que se pense: "Ninguém se interessa por mim,... ninguém me compreende,... ninguém me ouve,..." o Senhor está presente com o seu amor e a sua amizade. Como se sabe? Ele mesmo o diz: darei "outro Defensor... o Espírito da Verdade... Não vos deixarei órfãos".

Para chegar à compreensão da presença do Espírito temos de aderir e acolher a Palavra: Jesus. Filipe, depois da perseguição iniciada aos cristãos em Jerusalém, lutou e foi para a Samaria pregar a Palavra. Muitos milagres lá aconteceram em nome de Jesus. Muitos aderiram. Pedro e João ao ouvirem as maravilhas que estavam a acontecer foram até para que os novos cristãos fossem confirmados na fé, recebendo o dom do Espírito Santo. De algo superficial, os cristãos da Samaria passavam agora para algo mais concreto e assumido plenamente na vida: um compromisso selado pelo Espírito. Este compromisso que a todos fez (e faz) membros da Igreja. Mas será que hoje, apesar das perseguições, dos dedos que nos apontam, das palavras que possam dizer de nós, dos medos que possamos ter, temos a coragem e o ânimo de Filipe para continuar a evangelizar? Somos Igreja que evangeliza sem medo ou Igreja que se refúgia dentro de si mesma?

Pois se Jesus diz: "Se me amardes, guardareis os meus mandamentos", haverá alguém que não quer guardar em si mesmo este mandamento de amar? Amar Jesus! Amar Jesus não é amar o invisível, mas amar a certeza da Sua presença no meio de nós através do Espírito da Verdade.Na medida em que aceitamos os mandamentos do Senhor Jesus, ama-mo-l'O. Mas se não aceitamos, falhamos ao amor. Aceitar os mandamentos é ouvi-los, senti-los e agi-los. Assim Jesus torna-se presente porque aderimos a Ele e o Espírito está em nós, porque o Seu Amor está em nós. Mas o que prevalece na vida: o pessimismo ou o otimismo? As lamentações ou o entusiasmo? Somos Igreja de amor que testemunha o amor e que respira o amor? Ou, como dizia o Papa no dia 18 de Maio 2014, uma Igreja que só coscuvilha, é ciumenta e invejosa?

"Venerai Cristo nos vossos corações", dando as razões da esperança pois na vida "mais vale padecer por fazer o bem" do que o inverso. O certo é que por vezes se trocam as prioridades na vida e veneramos outras coisas, não damos o testemunho da nossa fé e só queremos esquivar-nos para não sofrer consequências que doam. Eu sinto-me acompanhado por Deus, não me sinto órfão, porque Ele me ama e sinto o Seu amor em todos os que me amam e também naqueles que são obstáculos. E tu? 

sábado, maio 17, 2014

"Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida" cf Jo 14, 1-12

Seguir Jesus é uma proposta do mesmo, que não é só um deambular pela vida, mas será o assumir da vida, dos gestos e da bondade d'Ele. Esta proposta de Jesus surge aos discípulos no meio da Ceia. Do Senhor vem a paz para o coração: "Não se perturbe o vosso coração". D'Ele surge a certeza de que a entrada na "casa do Pai" não se faz por um mero deambular pela vida, mas acontece na medida em que olharmos Jesus nos olhos para chegarmos à visão do Céu. As palavras escritas pelo apóstolo João, são de uma intensidade que só se compreendem na medida em que se me empenho em permanecer em Jesus. Fora d'Ele não se compreende, não se vive e nem se faz o caminho para o Céu.

A Igreja é Igreja quando dialoga e quando todos participam no serviço da Palavra e aos irmãos. Os apóstolos, ouvindo os cristãos, não assumem uma mera posição de autoritarismo, mas de escuta, diálogo e serviço para o maior bem da Igreja. Assim, decidiram empenhar-se no serviço da Palavra e, do meio da Igreja, escolher sete homens que estivessem mais disponíveis para o serviço aos mais necessitados. Assim, torna-se claro que a Igreja não vive de uma mera experiência de cúpula, mas vive das experiências quotidianas dos cristãos e, em diálogo, dá resposta aos anseios e angústias de todos os seus irmãos. Mas será que hoje também somos assim uma Igreja empenhada e aberta à participação de todos? Aceitamos o Espírito e deixamo-nos animar por Ele?

Assim, aproxime-mo-nos do Senhor, como desafia Pedro. Edifiquemos as nossas vidas sobre a pedra viva que é Jesus. Mesmo sendo rejeitado por uns, muitos somos os que aceitamos edificar a vida sobre Ele, pois só Ele é Caminho, Verdade e Vida. Percorramos o caminho de Jesus, seguindo os Seus passos e empenhando-nos em ser mais Igreja!

quarta-feira, maio 07, 2014

sentimentos e palavras (m)

Nem tudo se consegue exprimir por sentimentos visíveis e nem tudo se consegue exprimir por palavras que podem ser verbalizadas. Há muitas "coisas" que permanecem na sombra de sentimentos e palavras que são vivos, mas que vivem na sombra para não ferir pensamentos e não causar turbilhões de revolta em outros pensares. Há "coisas" e "coisas"... uma ficam na sombra e outras são assumidas e vividas. Mas só permanecendo na luz é que a verdade se vê e se vive. Todas estas palavras escritas fazem-me recordar palavras de Jesus, o Cristo, que desafia a viver na luz, pois quanto mais se está na sombra (nas trevas) menos se vive e caminha na verdade. Ser luz... Brilhar... Alumiar... só conTigo Senhor, se consegue tal proeza. Nas Tuas mãos, não quero estar na sombra mas mostrar a Tua Luz de vida e verdade: o Amor!