segunda-feira, julho 04, 2011

há cinco anos reflectia assim....

Podia ter um “clique” que seria um aparecimento espontâneo da minha vocação. Mas não foi assim que ela apareceu. Ao contrário do que muitos possam pensar, eu desde muito pequeno quis entregar-me nas mãos de Deus para ser seu servo. Recordo-me perfeitamente das férias que passava na terra natal da minha mãe e ia com a minha avó, logo cedo, à eucaristia do Colégio. E dizia-me ela: não queres ser padre? Eu fui alimentando esta ideia, que deixou de ser uma ideia, mas que passou a ser uma procura.
Na catequese da minha paróquia, muitos diziam que eu seria um bom padre. Mas eu questionava-me o que seria um bom padre? E assim fui andando, sempre procurando o que Deus queria de mim. Namorei (e não foi pouco)… fui fazendo a escola primária e o ciclo até que recebo uma carta que me convida a entrar no pré-seminário da Guarda. Eu aceitei o desafio. Confesso agora que já à algum tempo que eu nem pensava em ser padre. Ao aceitar o desafio parece que uma nova luz nasceu no meu horizonte. Passados três anos lá deixo eu a casa (Almada) e vou para o Seminário da Guarda.
O Seminário não foi uma certeza do que eu queria ser e seguir. Foi um período de descoberta, de crise, de felicidades e alegria, de partilha, de amizade, de oração e encontro pessoal com Deus. Eu tenho-o de descrever assim. Porque se alguma vez me senti perdido de Deus foi no Seminário. E o reencontro também foi no Seminário. E não me posso esquecer de tanta gente que se cruzou no meu caminho. Neste período, devo muito a alguns superiores que me acompanharam nos momentos que mais precisei. Devo-lhes a ele, porque Deus por meio deles veio e continua a vir até mim.
Em todo este crescimento vocacional (que espero que nunca pare) aprendi a amar, a relacionar-me com os outros, aprendi a perdoar, a sentir os outros, aprendi a rezar e a fazer da oração um momento de diálogo com Deus. Mil e uma coisas poderia dizer acerca desta minha “aventura vocacional” mas a história nunca está terminado e muitos dos momentos vivem dentro de mim. Agradeço a Deus o Ele nunca ter desistido de mim, mas sempre me ter amparado as quedas com as suas mãos carinhosas e me dizer: Vai, tu consegues, Eu preciso de Ti!

Vou ser padre! É uma realidade próxima. Vou ser padre para os outros. Não o sou para mim. Quero sê-lo porque quero continuar a amar tudo e todos! Não quero um título quero um serviço ao mundo. Não quero um serviço ao mundo, quero amar o mundo como Jesus nos amou e continua a amar. Não quero simplesmente amar, quero amar e servir!
Vou ser padre para todos os que se cruzarem comigo, para aqueles a quem eu procurarei, para os que não acreditam, para os que perderam a fé sem razão, para os que sofrem, para os rejeitados, para os que precisam de Deus nas suas vidas, para os que precisam de amar mais, para os que não se vêem aos nossos olhos, para que estão ali á espera de mim…
Depois de escrever isto parece que é um discurso pensado que saiu de dentro da minha cabeça, mas é realmente aquilo que eu quero e penso ser.

Hoje, no trabalho que já desenvolvo nas paróquias que me estão confiadas pastoralmente, penso que o trabalho, ou melhor, o serviço que presto tem levado a criar a consciência de que todos formamos a comunidade e que se somos cristãos temos de nos relacionar bem uns com os outros e para podermos ouvir dizer: vede como eles se amam!
Muitas vezes desanimo, mas desanimo a sério! Dá-me a sensação de que ninguém ouve o que Deus quer dizer e que por mais que uma pessoa lute pela unidade é um objectivo difícil de alcançar. Uma coisa tenho certa: não quero ter grandes comunidades, o que quero é que eu e elas possamos construir uma comunidade orante e transparente de amor e de paz.

6 comentários:

maria disse...

Padre Ângelo
Foi com grande emoção que li e senti um coração a falar ,a partilhar tudo o que Lhe vai na alma.
Deus é assim vai-nos conquistando e ajudando a vencer os obstáculos servindo-se de alguém para nos ajudar a encontrar o nosso caminho.
Quando pela primeira vez li o SEU blog,senti alguém profundamente apaixonado por Deus,que me fez ler ,confiar.

Maria disse...

Desculpe tive que acabar de repente mas eis-me aqui agora ,não sei se pode ser muito tempo.
Padre Ângelo eu não tenho palavras, amei todo este partilhar de uma vida sentida,concreta.
Deus está em SUA vida e O vai sempre ajudar a «construir uma comunidade orante e transparente de amor e Paz» tenho a certeza,terá a minha Humilde oração todos os dias.
Muitas Felicidades
Bem haja

emanuel disse...

Uma historia linda ,sei que muitas vezes e dificil alcançar os nossos objetivos quando sao eles espalhar a palavra do senhor ,mas quando Deus o escolheu era essa a sua missao na terra .Eu posso dizer sou filho de uma mae que esteve varios anos num convento e fui educado numa familia profundamente catolica ,tive como padrinho de crisma um padre que me levou ate ao seminario de Caparide e vi que nao tinha esse dom de DEUS como voce teve .Espero que alcance tudo o que DEUS lhe colocou pela frente na sua vida .O sacerdote não é o administrador de uma associação qualquer, cujo número de membros se procura manter e aumentar. É o mensageiro de Deus no meio dos homens; quer conduzir a Deus, e assim fazer crescer também a verdadeira comunhão dos homens entre si,um abraço

Maria disse...

Padre Ângelo
Pode não ter grandes comunidades, em quantidade de Paroquiamos ,mas tem muitas Paróquias ,que é o que me dá a ideia e muito serviço Pastoral e nós «ovelhas» por vezes somos um pouco difíceis e damos um pouco mais de trabalho ao «Pastor»,mas não é por mal.

Maria disse...

"Para os que não se vêem aos nossos olhos,para que estão ali à espera de mim ..."
Uma frase que dá muito que pensar,mas a verdade é que estamos mesmo à espera, de quê?do Padre Ângelo, é como se O conhecesse,é um partilhar de sentimentos,é um receber Jesus Cristo de um modo diferente ,mas é sentir Jesus,eu não sei ser de outro modo senão falar o que sinto e do coração.
Bem Haja por estar aqui,por nos ajudar,não desista de nós, porque muita gente o lê e as Suas Palavras, são como uma sementes são lançadas e vai germinando e fazem nos reflectir.

Maria disse...

Ser Sacerdote, é uma Consagração da vida,para a vida e na vida.
É algo que nos transcende a todos .
É quem nos administra os Sacramentos,nos transmite a Palavra de Deus e quando nós A escutamos, tanto faz estar no inicio, como no fim da Igreja, o seu olhar a Sua Palavra é como se fosse para cada um de nós, em particular.